Falece Waldo Vieira aos 83 anos


professor_valdo_vieira

Trajetória e Legado do Criador da Conscienciologia

Transcrito do Blog Con-Ciencia

Por Tony D’Andrea

02 de julho de 2015 – O fundador da Projeciologia e Conscienciologia, Waldo Vieira faleceu neste dia em Foz do Iguaçu aos 83 anos de idade. Convalescendo de uma operação cardíaca conduzida em São Paulo mês passado, Vieira entrou em coma ao sofrer um derrame em sua residência, e foi levado ao hospital Costa Cavalcanti onde permanecia em tratamento intensivo desde a semana passada.

Figura proeminente no cenário espiritualista brasileiro, Waldo Vieira renovou o campo de estudos parapsíquicos através da experiência fora do corpo. Professou que esta experiência é método privilegiado para a investigação do mundo extrafísico e subjetivo. Estes estudos resultam na Projeciologia. Vieira posteriormente se concentra no tópico da evolução da consciência, já com um estilo mais prescritivo e valorativo, codificado na Conscienciologia.

Não somente determina o caráter destas “neociências”, Vieira também se destaca como figura central na história do espiritismo e do movimento Nova Era brasileiros, catalisando um campo dinâmico de rearticulações culturais e ideológicas ainda em fluxo.

Carisma na Ciência

Através da história da ciência, novos sistemas são paradoxalmente implementados por lideranças de estilo carismático (Freud, Comte, Einstein, Vieira, etc.). A racionalidade pregada na geração de conhecimento se contrasta com interferências idiossincráticas de seus fundadores, popularizando novas ciências com desdobramentos institucionais específicos.

Com a morte do líder, este estilo carismático é gradualmente substituído por rotinas institucionais de tipo burocrático. Ainda que o futuro da Projeciologia e Conscienciologia esteja em aberto, os efeitos do estilo moralista imposto por Vieira constituem desafios que seus seguidores deverão agora confrontar.

Médico e parapsíquico, Vieira desenvolve um personalidade sui generis ao longo das décadas. Nascido em Monte Carmelo, Minas Gerais, em 18 de abril de 1932, filho do dentista Armante e da professora primária Aristina. Waldo atua no Movimento Espírita do interior de Minas, popular mas em tenso diálogo com o meio predominantemente católico. Ele se forma em odontologia e medicina na Universidade de Uberaba, e cresce como hábil debatedor público e médium de grande popularidade.

Desenvolve uma aparência intencionalmente marcante: vestido de branco, com farta barba de brancura marcante, sobrancelhas agudas, nariz fino, e olhar penetrante. Seus dons parapsíquicos são também notáveis: projetabilidade, mediunidade, clarividência, e manipulação de energias – chanceladas já na época de sua militância espírita.

Tudo isto caracteriza uma personalidade carismática de teor mágico. Waldo Vieira encarna os traços universais do mago-xamã, conforme listados por antropólogos como Mauss e Levi-Strauss. A profissão médica dispõe de forte poder simbólico em tradições mágicas e religiosas: o médico (tal como o xamã) lida com a vida e com a morte, sendo figura central na integração entre o mundo visível e invisível. No Brasil, médicos gozam de elevado status no espiritismo, na direção de centros e entrevistas públicas, na caracterização em novelas espíritas, e em sua influência política e ocupacional.

De Cronista à Profeta

Vieira vinha investigando a fenomenologia parapsíquica desde a década de 1970. Acumula uma biblioteca especializada com mais de 5,000 títulos. De médium espirita, irá se reinventar como pesquisador independente. Associa-se ao American Society for Psychic Research (USA) e a Society for Psychic Research (UK), ainda que comumente criticando colegas anglo-americanos de conservadorismo cientifico.

Sua trajetória se delineia em três grandes fases. A primeira (kardecista) compreende suas atividades no Movimento Espírita, onde atua como promitente médium e parceiro de Chico Xavier. Escrevem livros mediúnicos e coordenam sessões de assistência para multidões. Entretanto, Vieira se desaponta crescentemente com a ortodoxia kardecista que o desmotiva a estudar seus interesses em “animismo” e “desdobramento”. Ao longo dos anos 1970, ele gradualmente se afasta do Espiritismo, culminando em uma ruptura mais definitiva ao derredor de 1989. Se concentra em pesquisas parapsicológicas que prioriza, simultaneamente ao seu trabalho diário como médico cosmético em Ipanema, Rio de Janeiro.

Na segunda fase (projeciológica), Vieira analisa a fenomenologia extrafísica através de suas habilidades parapsíquicas, registradas em forma de crônicas extracorpóreas. Aqui ele ainda respeita a literatura parapsicológica. Em 1986, ele publica a sua magnum opus Projeciologia: Panorama das Experiências Fora-do-corpo, propondo uma “ciência do estudo do fenômeno da consciência e das energias para além dos limites do corpo físico”. Seguindo uma série de palestras públicas gratuitas em Ipanema, Vieira e associados fundam o Instituto Internacional de Projeciologia em 1989. Com a solidez institucional do IIP, o seu projeto toma uma guinada radical, rompendo com a abordagem fenomenológica, em favor de “assuntos avançados de ponta”, em especial, a “evolução da consciência” e o “serenismo”.

Na terceira fase (conscienciológica), Vieira adota um estilo explicitamente normativo, crescentemente moralista e combativo. Desconsiderando protocolos básicos do modelo cientifico, passa a sistematizar seus julgamentos de valor sobre a conduta evolutiva através de tipologias e terminologias bizantinas. Este processo se amplia após a publicação de seu segundo tomo em 1994, o 700 Experimentos da Conscienciologia, definida como “o estudo da consciência por meio de uma abordagem holística, holossomática, multidimensional, bioenergética, projetiva, autoconsciente e cosmoética.”

Este estilo ganha força com a mudança da sede para o Centro de Altos Estudos da Conscienciologia em Foz do Iguaçu no ano de 2002. Enquanto Vieira decide se afastar de decisões administrativas, o crescimento organizacional em rede começa a gerar atritos entre a nova direção e os antigos pioneiros. O curioso fenômeno dos “dissidentes” se torna comum.

Paradoxalmente, o moralismo conscienciológico de Waldo Vieira indica o afastamento do projeto inicial de se valorizar e construir uma “ciência”. Esta tensão é comum em paraciências em geral. Na passagem do descritivo ao normativo, a maior vítima foi a Projeciologia, relegada de “subdisciplina da parapsicologia” à “aplicação prática da Conscienciologia”.

A maioria dos conscienciólogos afirma que a Projeciologia e a Conscienciologia são independentes do Vieira. A viabilidade destas teria assim se autonomizado. Entretanto, a Conscienciologia se desenvolve na tensão entre a meta de uma ciência universal e a viabilização desta por vias carismáticas. “Dissidentes” lamentam a formação de um culto semirreligioso, enquanto conscienciólogos da casa vislumbram uma paraciência cosmopolita.

 A Próxima Reencarnação

Sendo a reencarnação um princípio da Conscienciologia, o futuro de Waldo Vieira será fonte de especulações. Ao longo dos anos, ele ocasionalmente indicou a sua intenção de reencarnar-se na China. Em contraste com sua personalidade iconoclasta, os elogios são surpreendentes: “A China tem muitos problemas com comunismo e superpopulação. Mas, no geral, é a civilização que melhor trabalha com energias e a questão da serenidade, com muita gente boa trabalhando nisso, parte de sua tradição por muito tempo. E aqui no instituto temos entidades chinesas de alto nível trabalhando em nosso grupo de assistência. Elas tem energias muito positivas e refinadas. Coisa séria.

Não por nada, ele e seguidores financiaram a tradução do tratadoProjeciologia para o mandarim, distribuindo dois mil exemplares para bibliotecas chinesas gratuitamente. Como afirmou, Vieira espera se deparar com este livro em uma vida futura, ajudando-o assim a recordar de seus esforços espirituais mais prontamente.

Recentemente, contudo, ele fez menção à Angola como possível berço para reencarnação. Tal declaração inusitada parece refletir a situação política interna na Conscienciologia, além de contrariar o arco cosmológico que construiu através das décadas. (Enfim, declarações intempestivas são típicas do líder carismático…). Vale notar, entretanto, que na recente modernização da África, chineses (engenheiros, gerentes, comerciantes, etc.) já compõem 1% da população de Angola.

Futuras gerações de conscienciólogos talvez tentem localizar o novo Vieira, seja como simples especulação, ou mesmo, através de expedições de identificação à la Dalai Lama. Nesta lógica, Vieira poderá retornar como um chinês estudante de Projeciologia vivendo em uma megalópole asiática; ou, quem sabe, em uma família de engenheiros chineses em Angola.

Você pratica a Instalação do Estado Vibracional? Que tal participar de nossa pesquisa Online?

Acesse a pesquisa nesse link.

Para saber mais:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

Anunciado App para estimular a prática do EV


EV06062015

Em um encontro de voluntários do IIPC em Curitiba foi anunciado o lançamento de um aplicativo para Smartphone com objetivo de estimular, registrar e avaliar a prática do Estado Vibracional.

Nesse site é possível inscrever seu email para receber o aviso sobre quando o aplicativo estará disponível nas lojas da Apple e Google.

Você pratica a Instalação do Estado Vibracional? Que tal participar de nossa pesquisa Online?

Acesse a pesquisa nesse link.

Para saber mais:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

Mantras


EV09052015

Mantra é um termo derivado das palavras do idioma sânscrito Man que significa mente e Tra que significa controle. O mantra é um som, sílaba, palavra, oração, cantochão ou poema religioso originalmente em idioma sânscrito entoado com uma finalidade específica. O termo mantra, portanto, é originário do hinduísmo, porém, mesmo não possuindo termos para designá-lo, mantras também são utilizados por todas as demais religiões, pois todas empregam formas de evocação semelhantes.

Mantras são japas (repetição de sons) que, assim como âsanas (posições), mudras (gestos), pranayamas (respirações) e meditações (dhyana) formam a base do espiritualismo indiano, o Yoga.

Tradicionalmente, o mantra é uma fórmula mística e ritual mentalizada, murmurada ou cantada em voz alta repetidamente de forma a auxiliar a concentração durante a meditação.

Contudo existem mantras que são empregados com outas finalidades. Esse tipo de informação, até poucos anos passados, era de conhecimento de restrito.

Existem mantras para:

  • Facilitar a concentração e meditação
  • Promover a energização da pessoa e do ambiente
  • Para adormecer ou despertar
  • Para induzir a projeção consciencial lúcida
  • Para estimular e desenvolver chacras
  • Para evocar egrégoras*

Em termos práticos, qualquer palavra, frase ou oração ou até uma música ouvida e repetida por muitas pessoas ao longo de muito tempo acaba por se constituir em um mantra.

Por exemplo, os nomes das principais entidades de todas as religiões tornaram-se mantras com o passar do tempo.

Há pessoas que atribuem poderes milagrosos aos mantras ao passo que outras são completamente céticas quanto quaisquer efeitos transcendentes que possam produzir.

As pesquisas de John Blofeld, que estudou as culturas indiana e chinesa, indicaram que não é necessário saber o significado das palavras ditas para que o mantra produza o efeito esperado. Ele observou que não importa a correção da pronúncia pois encontrou o mesmo mantra entoado de forma muito diferente em países diversos, e sempre produzindo os efeitos esperados.

O início do emprego de mantras perde-se na noite dos tempos.

Os mantras Tibetanos são entoados como orações repetidas. O budismo mahayana do Tibete usa mantras em tibetano, o zen-budismo do Japão os usa em japonês. Blofeld, no começo do século XX, encontrou em Hong Kong mantras cuja língua ninguém sabia identificar que pareciam uma alteração de um original sânscrito.

No ocidente, a ciência tradicional explica o emprego dos mantras como sendo um exercício mental e respiratório capaz de levar o praticante a um estado alterado de consciência.

Mecanismo. O mecanismo fundamental que explica o funcionamento do mantra é o acoplamento energético. O mantra é uma forma de mobilização energética. Ao ser verbalizado a energia sonora do mantra promove um acoplamento energético com uma egrégora ou holopensene bioenergético. Dessa forma, pode-se explicar porque o mesmo efeito de um mantra pode ser obtido ao mentalizá-lo, sem chegar a verbalização.

Repercussões energéticas. As repercussões energéticas que uma pessoa pode sentir ao pronunciar um mantra podem variar de impercetível e demorado ao intenso e imediato. Em parte,  isso depende da egrégora que está sendo evocada e, em parte, depende do grau de acoplamento da pessoa com essa egrégora.

Persistência. Pelos mesmos motivos, a repercussão energética dos mantras pode cessar de imediato ou se prolongar por vários minutos ou mesmo horas após a pessoa parar de recitá-lo.

Padrões. Há mantras que evocam energias suaves e aqueles que evocam energias muito fortes. O padrão das energias evocadas pode ser mentalsomático, psicossomático ou energossomático, repercutindo mais nos chacras mais diretamente relacionados com esses padrões bioenergéticos: coronochacra, cardiochacra e umbilicochacra, respectivamente.

Bija-mantras. Bija-mantra (semente do mantra) são mantras que promovem a imediata ativação de um chacra. Cada chacra possui seu próprio bija. A ativação de um determinado chacra é uma forma de poder, motivo pelo qual esse era, até pouco tempo, um conhecimento iniciático restrito.

Mantra pessoal. Acredita-se que cada pessoa tenha um mantra pessoal que, se conhecido, pode ser usado como uma forma de poder. Contudo, existe muita mistificação em torno desse assunto, tal como “fórmulas” para se compor o mantra pessoal e pessoas/instituições que revelam de forma mística o mantra pessoal da pessoa desde que ela jure mantê-lo em segredo (assim elas podem revelar os mesmos “mantras pessoais” para um grande número de pessoas). Até onde sei, o mantra pessoal, se existe de fato, só pode ser descoberto pela própria pessoa por meio do seu autoparapsiquismo.

Autopesquisa. A pessoa interessada pode pesquisar qual é o efeito bioenergético que cada mantra proporciona. Basta recolher-se a um local tranquilo sem interferências externas, escolher um mantra e recitá-lo repetidas vezes, sondando o efeito produzido em seu holossoma ou no ambiente ao redor, prestando atenção em quais pensamentos e sentimentos surgem na mente e quais chacras são mais energizados e com qual padrão de energia. Uma vez que, cada mantra pode evocar uma egrégora diferente, é recomendavel não misturar mantras diferentes em curtos intervalos de tempo para o efeito de um não seja afetado pelo de outro.

Cuidado. Há de se ter cuidado ao usar mantras cuja origem e significado da evocação que fazem sejam desconhecidos pelo praticante, que não estejam claramente descritos em um livro ou outra fonte de informação confiável pois, assim como existem mantras que evocam consciências benévolas, existem aqueles que evocam consciências negativas e doentias. Esse, naturalmente, não é o caso dos mantras mais conhecidos e usados, provenientes das tradições do Yoga ou das consagradas orações das religiões cristãs, por exemplo.

Mantras X EV. O mantra é uma forma de mobilizar energias externas. Existe a dependência, portando, da sintonia com uma egrégora. O EV é uma forma de mobilização de energias internas, com as próprias bioenergias da consciência e que, portanto, não depende de acoplamentos com outras energias. Mantras e EV não são práticas bioenegéticas mutuamente excludentes. Uma ou outra pode ser utilizada conforme o efeito pretendido. Em princípio, o EV é um só e tem inúmeras utilidades. A técnica para instalá-lo é uma só. Já os mantras, são muitos, alguns mais genéricos e outros mais específicos. É preciso conhecer e praticar uma constelação de mantras para usar o mais adequado conforme a situação, todavia, isso não deve ser motivo para desprezá-los. Na realidade, nenhuma forma de mobilização bioenergética pode ser publicamente desprezada simplesmente porque achamos que não nos serve. Sempre existem pessoas que tiram proveito dela.

Notas

O termo egrégora vem do idioma grego egregorien que significa velar ou cuidar. Egrégoras são holopensenes ou campos bionergéticos mantidos por consciências intrafísicas e extrafísicas com uma determinada finalidade.

Você pratica a Instalação do Estado Vibracional? Que tal participar de nossa pesquisa Online?

Acesse a pesquisa nesse link.

Para saber mais:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

Do EV ao GigaEV


Transformation ins Licht

O EV – Estado Vibracional, pode ocorrer de diversas formas, sendo a mais importante o autoinduzido, aquele que a consciência faz voluntariamente, movida pela sua vontade, usando alguma técnica ou procedimento que domina.

O EV pode variar de muitas formas sendo a intensidade e frequência do padrão vibratório são os aspectos mais notáveis e, provavelmente, os mais importantes.

O grau de efetividade do EV para promover algum efeito na consciência ou no ambiente ao seu redor varia em função de vários fatores. Alguns dependem do praticante da técnica e outros não, dependem do ambiente de instalação.

Quanto maior a intensidade do EV, em outras palavras, quanto maior for a quantidade de energia ativada, maiores serão os resultados produzidos.

Por outro lado, quanto maior a frequência do EV, em outras palavras, quanto mais elevadas forem as vibrações das energias ativadas, melhores serão os resultados produzidos.

Assim podemos classificar o EV autoinduzido conforme sua intensidade e frequência da seguinte maneira.

  • EV comum: Apresenta baixa intensidade e baixa frequência;
  • EV intenso: Apresenta alta intensidade e/ou alta frequência;
  • SuperEV: O EV potencializado, com intensidade e/ou frequência muito acima da média do praticante, instalado em situações excepcionais, favorecido pelo ambiente ou pela atuação de consciências extrafísicas amparadoras;
  • MegaEV: O EV típico da consciência desperta, com alta intensidade e alta frequência, muito acima da média das consciências humanas comuns que também praticam a instalação do EV;
  • GigaEV: O EV típico da consciência serenona, com intensidade e alta frequência, muito acima da média das consciências despertas que instalam MegaEVs.

Importante salientar que o MegaEV e o GigaEV recebem essa denominação tendo como perspectiva o praticante comum. Para o desperto e para o serenão, esses EVs podem estar dentro da sua média e, portanto, nada terem de especial em termos da intensidade e frequência que estão acostumados a produzir.

O leitor mais atento talvez faça o seguinte questionamento: “Se um EV intenso feito por uma pessoa comum já pode ser percebido por outras pessoas próximas a ele, não deveríamos estar percebendo os EVs dos despertos e principalmente dos serenões?

Realmente, isso não ocorre porque, a medida que o domínio das energias vai aumentando e a consciência vai evoluindo, a frequência das energias ativadas aumenta tanto que passa a ser cada vez mais difícil para pessoas comuns, acostumadas apenas com padrões de baixa energia, perceberem as ECs – Energias Conscienciais, produzidas por um MegaEV ou GigaEV.

De fato, se o seu vizinho fosse um serenão e instalasse um GigaEV, a menos que você esteja muito atento a nuances das mudanças energéticas no ambiente da sua residência e da sua vizinhança, provavelmente nada de diferente perceberá.

Concluindo: “Isso significa que pode haver um desperto ou um serenão na minha vizinhança sem que eu faça idéia?” Sim.

Notas:

Desperto: Desassediado Permanente Total. A consciência mais evoluída, já livre de assédios interconscienciais. Estima-se que existam alguns milhares de despertos em nosso planeta.

Serenão: A consciência superserena, com nível evolutivo incomparavelmente superior a média humana, que já está em suas últimas vidas intrafísicas. Estima-se que existam algumas centenas de serenões nosso planeta.

Você pratica a Instalação do Estado Vibracional? Que tal participar de nossa pesquisa Online?

Acesse a pesquisa nesse link.

Para saber mais:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos

 

 

 

 

 

Abordagem Bioenergética


EV_26042015

Todas as consciências podem interagir, bioenergeticamente, umas com as outras. Essa interação pode ser inconsciente e natural ou pode ser consciente, intencional e técnica.

Abordagem bioenergética é uma forma de interação ou contato direto de uma consciência por meio de procedimentos bioenergéticos com objetivo de sondar, prescrutar as energias conscienciais ou a capacidade de percepção bioenergética de outra consciência, seja ela intrafísica ou extrafísica.

Existem diversos tipos e formas e objetivos para realizar uma abordagem bioenergética.

Intencionalidade: A abordagem bioenergética pode ter por intensão a mera curiosidade, a heteropesquisa, pode ser interassistencial assim como assediadora.

  • Por mera curiosidade: Com objetivo de aferir o nível de lucidez e percepção bioenergética da consciência abordada. Pode ser incômoda e invasiva e anticosmoética.
  • Heteropesquisa: Com objetivo de medir a o nível de lucidez e percepção bioenergética da consciência abordada ou colher uma informação específica sobre ela (psicometria). Se não for solicitada autorização, deve ser suave e discreta para não ser anticosmoética.
  • Interassistencial: com objetivo de auxiliar a consciência abordada. Exemplos: Passes, Reki, Johrei, Acupuntura, Arco Voltaico.

Localização: Abordagem pode ser local ou à distância.

  • Local: A consciência abordada está no mesmo local.
  • À distância: A consciência abordada está situada em local distante, na dimensão intrafísica ou na dimensão extrafísica. Exemplos: Psicometria, irradição energética à distância, tenepes.

Intensidade: A abordagem pode ser, dentre outros tipos, miniabordagem, preliminar ou assimilação simpática.

  • Miniabordagem: a sondagem sigilosa, discreta, da energosfera de outra consciência.
  • Abordagem preliminar: com objetivo de verificar o que a consciência necessita para decidir qual ação assistencial poderá ser executada em seu benefício.
  • Assimilação simpática (Assim): Uma forma de abordagem em que ocorre um forte acoplamento e troca bioenergética entre o praticante e a consciência abordada. Pode ocorrer de forma consciente ou inconsciente. A assimilação possibilita realizar um diagnóstico mais detalhado da condição bioenergética da consciência abordada. A instalação de um estado vibracional pelo praticante ao término da assim é necessária para promover a desassimilação simpática (Desassim) e evitar problemas para a sua saúde bioenergética.
  • Arco voltaico: Sob a ótica da Conscienciologia, é o melhor processo direto e ostensivo de abordagem bioenergética de uma consciência intrafísica.

Padrão: O padrão das energias empregadas na abordagem pode ser predominantemente energossomático, psicossomático ou mentalsomático.

  • Energossomático: Típico das consciências intrafísicas.
  • Psicossomático: Típico das consciências extrafísicas comuns.
  • Mentalsomático: Típico das consciências intrafísicas ou extrafísicas bem mais evoluídas que a média da humanidade,

Estado de Manifestação: O praticante pode estar na dimensão intrafísica, pode ser um projetor ou pode ser uma consciência extrafísica.

  • Projetor: No caso do projetor, ele  pode abordar bioenergeticamente outra consciência projetada, uma consciência situada no corpo físico, na dimensão intrafísica ou ainda uma consciência extrafísica.

Inabordabilidade bioenergética: Certas consciências não podem ou não devem ser abordadas bioenergeticamente. Exemplos: O operador de um equipamento industrial durante a execução de seu trabalho; a consciência cujo corpo físico morreu recentemente.

Você pratica a Instalação do Estado Vibracional? Que tal participar de nossa pesquisa Online?

Acesse a pesquisa nesse link.

Para saber mais:

Livro Estado VibracionalLivro Experiências Fora do Corpo - Fundamentos